Godzilla / Codzilla versão Italiana 1977 dvd legendado em portugues Ver ampliado

Godzilla / Codzilla versão Italiana 1977 dvd legendado em portugues

Em 1976, o produtor italiano Dino De Laurentiis lançou um remake de “King Kong” junto ao público. Inspirado pelo sucesso comercial dessa empreitada, o cineasta italiano Luigi Cozzi imaginou que poderia marcar seu sucesso de bilheteria com um filme de monstro. Mas, em vez de criar um novo filme do zero, ele procurou relançar o clássico japonês de 1954 “Godzilla”. 

Mais detalhes

197 produtos em estoque

R$ 13,00

 Godzilla (Codzilla) 1977

Gênero: Aventura / Ação
Ano de lançamento: 1977
Áudio: Italiano/ legenda : PORTUGUÊS e Inglês
Duração: 95 minutos

Em 1976, o produtor italiano Dino De Laurentiis lançou um remake de “King Kong” junto ao público. Inspirado pelo sucesso comercial dessa empreitada, o cineasta italiano Luigi Cozzi imaginou que poderia marcar seu sucesso de bilheteria com um filme de monstro. Mas, em vez de criar um novo filme do zero, ele procurou relançar o clássico japonês de 1954 “Godzilla”. Mas o plano simples de Cozzi acabou se tornando muito mais complexo do que ele esperava, e o que ele acabou colocando nos cinemas é amplamente considerado como uma das produções mais bizarras já feitas.

O filme foi encontrado em 2018 e restaurado pelo ator italiano e celebriade Geno Cuddy sendo remasterizado a partir de uma cópia de 35mm encontrada na ITALIA!


Cozzi contatou o escritório de Roma da Toho para adquirir o “Godzilla” original de 1954 para relançamento. No entanto, Toho só ofereceu a ele a versão americana editada de 1956 "Godzilla, Rei dos Monstros!" estrelado por Raymond Burr. Cozzi viu essa versão quando jovem durante seu lançamento italiano, mas o filme ficou fora de circulação na Itália por muitos anos e Cozzi apostou que haveria interesse do público em vê-lo novamente. Ele garantiu os direitos para um lançamento em 1977, mas rapidamente descobriu que nenhum distribuidor tocaria no filme porque era em preto e branco.

Cozzi se juntou ao artista Armando Valcauda para criar uma forma de colorir o “Godzilla”. Como a tecnologia de computador usada por Ted Turner em seus planos de colorização ainda não tinha sido inventada, e como colorir o filme quadro a quadro à mão estava fora de questão, Cozzi e Valcauda encontraram uma solução estranha. Eles optaram por colocar folhas de gel colorido sobre cada quadro do filme em preto e branco e refilmar. As cores usadas eram sólidas e extravagantes e, às vezes, duas cores eram colocadas lado a lado sobre parte da moldura, enquanto a imagem monocromática original permanecia intacta. O resultado foi um absurdo psicodélico, com pessoas em preto e branco passando por cenas onde faixas de cores ousadas iluminam o fundo. Cozzi e Valcauda chamaram seu processo de Spectrorama 70, dando a falsa impressão de que estavam apresentando “Godzilla” em formato widescreen 70mm. Cozzi admitiu que foi inspirado pelas estratégias de marketing criativamente enganosas de William Castle ao divulgar o Spectrorama 70 para seu público desavisado.

O que complicou as coisas para Cozzi foi o tempo de exibição de 80 minutos em “Godzilla, Rei dos Monstros”, que era muito curto para os cinemas italianos na década de 1970. Cozzi decidiu expandir o tempo de execução inserindo novas filmagens de outros filmes em seu “Godzilla”. Assim, um prólogo irrelevante mostrando Hiroshima antes e depois do bombardeio atômico foi adicionado, incluindo cenas horríveis de noticiários de vítimas do bombardeio. As filmagens de “O DIA EM QUE A TERRA SE INCENDIOU”, “O MONSTRO DO MAR”, “O TREM” e “GODZILLA RAIDS AGAIN” também foram adicionadas, enchendo o filme por mais 25 minutos. Mas, embora isso resolvesse o problema do tempo de execução, deu a Cozzi outra dor de cabeça: novas trilhas sonoras eram necessárias para integrar a filmagem emprestada à impressão original.

Para dar ao filme uma sensação de coesão auditiva, uma nova música eletrônica de Vince Tempera foi adicionada. Cozzi optou por expandir a música de Tempera para o resto da filmagem, criando assim um mash-up áudio / visual de várias gerações que antecedeu a versão musical de rock de Giorgio Moroder de "Metropolis". Para garantir que o público não perdesse uma nota, o filme foi regravado em algo chamado Futursound, que na verdade era uma variação do sistema Sensurround que foi brevemente popular em meados dos anos 1970. E, claro, toda a faixa de diálogo foi substituída por uma versão em italiano.

O “Godzilla” de Cozzi, que foi rebatizado de “Cozzilla” fora da Itália, tem que ser visto para acreditar. Isso não se parece com nenhum outro filme, e isso não é uma coisa boa. É uma destruição barulhenta, confusa, frenética e visualmente violenta de um clássico da ficção científica, onde um trabalho cuidadosamente criado de cinema em preto e branco foi imprudentemente atado com flashes de cores bizarras e música inadequada. Imagine fazer uma viagem de ácido na edição italiana da ComicCon e você terá uma ideia do que está acontecendo neste filme.

Como um americano assistindo “Cozzilla”, a única vantagem é ter a performance vocal muito séria de Raymond Burr apagada. Embora a presença de Burr tenha sido o ponto de venda do lançamento americano de 1956, sua performance sem emoção e leitura rígida de diálogos cafonas parecem involuntariamente engraçados para os padrões contemporâneos. Em "Cozzilla", isso é substituído por alguém que parece o Sr. Bacciagalupe de "The Abbott and Costello Show". Isso pode não ser um realce para o núcleo emocional do filme, mas pelo menos é para manter a inanidade que se desenrola.

Cozzi pretendia que o filme fosse exibido nos cinemas - ele se gabou em uma entrevista à SciFi Japan  disse que sua produção foi exibida no mesmo teatro romano que mostrava um genuíno trabalho de 70 mm de ficção científica alucinante filmado em cores, Stanley Kubrick's “2001: A Odisséia no Espaço." E deveria ter conseguido cruzar o Atlântico: a arte do filme apareceu na edição de estreia da revista Fangoria. Mas, até agora, nunca houve nenhum lançamento do filme nas telas grandes dos Estados Unidos. Na verdade, a única maneira que os americanos podem experimentar “Cozzilla” é por meio de um horrível truque de quarta geração que circulou em DVDs piratas.

 DIREÇÃO: Luigi Cozzi

ELENCO:
Raymond Burr......................Steve Martin
Takashi Shimura..................Doutor Yamane
Momoko Kochi.....................Emiko
Akira Takarada....................Ogata
Akihiko Hirata......................Doutor Serizawa